ECD 2019 no ERP Protheus: as mudanças do novo leiaute e os prazos

A Escrituração Contábil Digital deve ser enviada ao SPED até o último dia útil de maio. A TDF Gestão Contábil está preparada para entregar a ECD e ECF de seus clientes no ERP Protheus. Então fique atento e descubra quais são as novidades com o leiaute 7 e as atualizações para a ECD 2019 no ERP Protheus.

Mensalmente elaboramos rotinas e realizamos o fechamento dos balancetes com o formato já de entrega do ECD e apuração dos impostos com as regras da ECF. Diante disso, melhoramos a qualidade de entrega das obrigações acessórias.” Destaca o CEO da TDF, Tiago Jacobsen.

E é dentro desse contexto que reunimos neste artigo os principais pontos para você ficar atento entregar no prazo a ECD 2019 no ERP Protheus. Confira!

O que é a ECD?

A ECD substituiu a entrega e a manutenção de arquivos em papéis dos livros diários, razão e seus auxiliares, assim como dos balancetes e balanços. Todas essas informações, no que tange a relação Fisco contribuinte, agora são digitais.

A Escrituração Contábil Digital foi instituída para fins fiscais e previdenciários e deve ser transmitida ao Sistema Público de Escrituração Digital (Sped). Seu principal objetivo foi o de substituir o envio de arquivos em papel.

ECD 2019 no ERP Protheus: principais mudanças

Com a publicação do leiaute 7, no início deste ano, não será mais possível transmitir ECD referente ao ano-calendário 2018 com o leiaute 6. O novo leiaute deve ser utilizado para a entrega das ECD do ano-calendário 2018 e situações especiais de 2019.

O site da TOTVS fez um compilado das principais mudanças com o novo leiaute e com as quais os profissionais e empresas devem ficar atentas. Confira!

1) Bloco J: Demonstrações Contábeis – Revisão das demonstrações contábeis para que seja possível importar tais informações na Central de Balanços (produto a ser lançado no Sped em 2019);

2) Separação do registro de assinatura do Termo de Verificação para Fins de Substituição da ECD (novo registro J932);

3) Criação de código específico para lançamento extemporâneo (código “X”) no registro I200 (lançamentos).

As alterações envolvem melhorias nas regras de validação e inclusões de campos que detalham melhor os lançamentos efetuados. Veja mais detalhes sobre cada uma delas:

Bloco J: Demonstrações Contábeis:

Criação da opção “Exportar Demonstrações”, no menu “Escrituração” do PGE da ECD, para exportação das demonstrações contábeis, a semelhança da funcionalidade “Exportar Arquivo”.

         O arquivo das demonstrações será composto pelos seguintes registros:

  • Registro 0000;
  • Registros 0001, 0020, 0035 e 0990;
  • Registros I001, I010, I030 e I990;
  • Todos os registros do bloco J; e
  • Registros 9001, 9900 (somente dos registros elencados), 9990, 9999.

Registro J932: Signatários da Escrituração

O Registro J930 – Signatários da Escrituração, não será mais destinado ao Termo de Substituição da ECD. Por isso, a qualificação do assinante 910 e 920 correspondentes ao Responsável Pelo Termo de Verificação para Fins de Substituição da ECD, foram alocados ao novo registro J932: Signatários do Termo de Verificação para Fins de Substituição da ECD.

Registro I200: Lançamentos

         Esse registro define o cabeçalho do lançamento contábil. São três tipos de lançamentos:

         1) Tipo E: lançamentos de encerramento das contas de resultado;

         2) Tipo N: demais lançamentos, denominados lançamentos normais;

Novo Tipo de Lançamento:

         3) Tipo X: lançamentos extemporâneos, que abrangem, entre outros, os lançamentos previstos nos itens 31 a 36 da Interpretação Técnica Geral (ITG) 2000 (R1) – Escrituração Contábil, do Conselho Federal de Contabilidade, publicada em 12 de dezembro de 2014.

             – Campo para data do lançamento extemporâneo.

             – O lançamento não pode ser feito em conta de resultado.

Registro I051: Plano de Contas Referencial:

         Atualização do plano de contas referencial dos partidos políticos

        O novo plano de contas dos partidos políticos foi disponibilizado pela Portaria-TSE nº 926 (formato PDF), publicada no Diário de Justiça Eletrônico (DJE) em 17 de outubro de 2018.

Registro I200: Lançamentos Contábeis

Inclusão do campo DT_LCTO_EXT – Data de ocorrência dos fatos objeto do lançamento extemporâneo.

Registro I250: Partidas do Lançamento

Atualização da descrição de campo HIST-  Histórico completo da partida ou histórico complementar.

Registro J100: Balanço Patrimonial

Inclusão de campos, entre eles o: IND_COD_AGL – Indicador do tipo de código de aglutinação das linhas. T – Totalizador (nível que totaliza um ou mais níveis inferiores da demonstração financeira). D – Detalhe (nível mais detalhado da demonstração financeira)

Verifique a lista completa de inclusão de campos aqui.

Registro J150: Demonstração do Resultado do Exercício

Inclusão de diversos campos. Verifique a lista completa aqui.

Exclusão dos campos: VL_CTA_ULT_DRE: Valor do saldo final antes do encerramento constante na Demonstração dos Resultados do último período informado.

Outras alterações para ficar atento

  • Registro J200: Exclusão de Registro
  • Registro J210: DLPA – Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados/DMPL
  • Registro J215: Fato Contábil que Altera a Conta Lucros Acumulados ou a Conta Prejuízos Acumulados ou Todo o Patrimônio Líquido
  • Registro J801: Termo de Verificação para Fins de Substituição da ECD
  • Exclusão de códigos de Tabela:

910- Contador/Contabilista Responsável Pelo Termo de Verificação para Fins de Substituição da ECD

920- Auditor Independente Responsável pelo Termo de Verificação para Fins de Substituição da ECD

  • Registro J935: Identificação dos Auditores Independentes

1 – Inclusão do campo  NI_CPF_CNPJ: CPF do auditor independente/CNPJ da pessoa jurídica de auditoria independente.

  • Registro K110: Relação dos Eventos Societários: Atualização de regra de validação

Regras incluídas: REGRA_ANO_IGUAL_ANTERIOR_POSTERIOR_K030

Mais detalhes no site da TOTVS.

Atualizações nas novas versões: 6.01 a 6.04 do leiaute 7

  • Será possível transmitir arquivos de ECD de situações especiais que ocorreram em dezembro de 2018 tanto no leiaute 6 como no leiaute 7.
  • Correção da regra de validação do registro J210 e do relatório de impressão do registro J150.
  • Correção do relatório de impressão do registro J100 e correção das regras de validação dos registros J100 e J150, para aceitar demonstrações contábeis com níveis superiores a 10.
  • Alteração da chave do registro J005, leiaute 7 para (DT_INI+DT_FIN+ID_DEM);
  • Tratamento das exceções na importação ocasionadas por erros de estrutura do arquivo da ECD gerado pelas pessoas jurídicas.

Para baixar o programa ECD 2019 na sua versão 6.4, acesse a área de downloads da Receita Federal.

Pacote de atualização ECD 2019 no ERP Protheus

Acesse agora o pacote de atualização da ECD 2019 no ERP Protheus disponibilizado pela TOTVS e realize a entrega de sua obrigação acessória.

Lembramos que o prazo máximo para enviá-la é 31/05/2019. O quanto antes você iniciar, com mais calma irá realizar e menores são as chance de erro. Acesse o patch e instale a versão atualizada.

Precisa de ajuda com a ECD 2019 no ERP Protheus? Entre em contato com TDF e fale com um de nossos consultores.

 

ECD 2018 no ERP Protheus: o que você precisa saber sobre a entrega do Sped Contábil

ECD 2018 no ERP Protheus

Confira os detalhes sobre o envio da ECD 2018 no ERP Protheus, com tudo que você precisa saber sobre as atualizações do Sped Contábil e as alterações do leiaute no Protheus.

Conforme já informamos em nosso Calendário Fiscal 2018, a Escrituração Contábil Digital deve ser entregue até o dia 31 de maio pelas empresas que optaram pelos regimes tributários Lucro Presumido ou Lucro Real.

Entenda a ECD ou Sped Contábil

A Escrituração Contábil Digital (ECD) foi instituída para fins fiscais e previdenciários e deve ser transmitida ao Sistema Público de Escrituração Digital (Sped). Seu principal objetivo foi o de substituir o envio de arquivos em papel.

O arquivo da ECD em formato digital contempla:

  • Livro Diário e seus auxiliares, se houver;
  • Livro Razão e seus auxiliares, se houver;
  • Livro Balancetes Diários, com balanços e fichas de lançamento comprobatórias do que está transcrito.

O Livro Razão e o Livro Diário contêm todas as informações relativas a movimentações financeiras realizadas pelas empresas. Neles constam tudo aquilo que as instituições faturaram e pagaram.

Obrigatoriedade

Basicamente, as pessoas jurídicas que devem enviar, obrigatoriamente, a ECD 2018 são as que optaram pelos regimes tributários Lucro Real. Além disso, devem entregar:

  • Entidades imunes ou isentas que auferiram no ano-calendário de 2017 receitas, doações, incentivos, subvenções, contribuições, auxílios, convênios ou ingressos assemelhados cuja soma seja maior ou igual a R$ 1,2 milhão ou proporcional ao período escriturado.
  • Empresas tributadas pelo Lucro Presumido que distribuíram, a título de lucro, sem incidência do IRRF, parcela de lucros ou dividendos superiores ao valor da base de cálculo do Imposto de Renda Pessoa Jurídica diminuída dos impostos e contribuições a que estiver sujeita.
  • Micro Empresa e Empresa de Pequeno Porte que tenham recebido aporte de capital na forma prevista nos arts. 61-A a 61-D da Lei Complementar nº 123/2006 (investidor anjo);
  • As Sociedades em Conta de Participação (SCP), como livros auxiliares do sócio ostensivo.

Pazo de entrega da ECD 2018

O prazo para a entrega da ECD (Escrituração Contábil Digital) é sempre no último dia útil do mês de maio subsequente ao qual o ano-calendário se refere. Em 2018, a data máxima para entrega é 31 de maio.

Alterações da ECD 2018

A Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) divulgou a Instrução Normativa RFB nº 1.774/2017 em dezembro do ano passado. Além de revogar a norma anterior (Instrução Normativa RFB nº 1.420/2013), ela trouxe novas regras a serem observadas a partir de 2018.

As mudanças são em relação à entrega da Escrituração Contábil Digital (ECD), do ano-calendário de 2017 e situações especiais em 2018.

As principais novidades para a ECD 2018 são:

  • O recibo de transmissão da ECD agora é comprovante de autenticação;
  • ME e EPP entram na obrigatoriedade de entrega da ECD, desde que tenham recebido aporte de capital;
  • ECD é facultativa para sociedade empresária ou empresário;
  • Alteração no nome do programa da ECD, de Programa Validador e Assinador (PVA) para Programa Gerador de Escrituração (PGE);
  • Há possibilidades de edição da ECD;
  • Mais detalhes no link;

ECD 2018 no ERP Protheus

Para a ECD 2018 no ERP Protheus, a Totvs disponibilizou o leiaute 6.0 com o pacote de atualização necessário para a entrega da obrigação neste ano.

O pacote de atualização leiaute 6.00 contemplando as notas explicativas dos registros pode ser encontrado para download no site da Totvs.

Saiba mais sobre o checklist realizado pela Totvs a respeito da ECD 2018 no ERP Protheus.

Conclusão

A ECD deve ser gerada por meio do Programa Gerador de Escrituração (PGE), desenvolvido pela Receita Federal e disponibilizado na internet, no site do Sped.

Prazo máximo da entrega da ECD 2018: 31/05

Tenha acesso ao Manual da Totvs para a ECD 2018 no ERP Protheus.

Precisa de ajuda na entrega da ECD? Entre em contato com a TDF e conheça nossas soluções contábeis, fiscais e de DP para empresas com sistema de gestão ERP Protheus.

Calendário Fiscal 2018: saiba tudo sobre as principais obrigações para sua empresa neste ano

Neste Calendário Fiscal 2018 você confere quais são as principais entregas que sua empresa deve realizar neste ano. Estar em dia com todos tributos e obrigações fiscais é uma das principais preocupações dos empresários brasileiros.

Com o objetivo de facilitar a sua procura por informações a respeito das diferentes obrigações, reunimos as principais neste Calendário Fiscal 2018.

Obrigações Acessórias Anuais

RAIS

Prazo: 23/03/2018

A Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) é um relatório de informações sócio-econômicas solicitado pelo Ministério do Trabalho e Emprego às pessoas jurídicas e outros empregadores.

O prazo de entrega da RAIS ano-base 2017 iniciou em 23 de Janeiro de 2018 e encerra em 23 de Março de 2018. Estão obrigados a declarar a RAIS:

  • Empregadores urbanos e rurais;
  • Filiais, agências, sucursais, representações ou quaisquer outras formas de entidades vinculadas à pessoa jurídica domiciliada no exterior;
  • Autônomos ou profissionais liberais que tenham mantido empregados no ano-base;
  • Órgãos e entidades da administração direta, autárquica e fundacional dos governos federal, estadual, do Distrito Federal e municipal;
  • Conselhos profissionais, criados por lei, com atribuições de fiscalização do exercício profissional, e as entidades paraestatais;
  • Condomínios e sociedades civis;
  • Cartórios extrajudiciais e consórcios de empresas.

O estabelecimento inscrito no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) que não manteve empregados ou que permaneceu inativo no ano-base 2017 está obrigado a entregar RAIS Negativa, preenchendo apenas os dados a ele pertinentes. A exigência não se aplica ao Microempreendedor Individual (MEI).

O empregador que não entregar a Rais no prazo previsto, omitir informações ou prestar declaração falsa ou inexata ficará sujeito à multa.

DEFIS

Empresas optantes pelo Simples Nacional

Prazo máximo: 31/03/2018

A Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais (DEFIS) tem como objetivo comunicar à  Receita Federal dados econômicos e fiscais da empresa que está ou esteve enquadrada pelo Simples no período abrangido pela declaração.

O prazo de entrega da DEFIS é até 31 de março do ano subsequente ao período abrangente que será declarado. Saiba mais sobre o que deve ser informado na DEFIS.

ECD

Empresas de Lucro Presumido e Lucro Real

ME e EPP com aporte de capital

Prazo máximo: 31/05/2018

A Escrituração Contábil Digital (ECD) foi instituída para fins fiscais e previdenciários e deve ser transmitida ao Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) pelas pessoas jurídicas a ela obrigadas  O arquivo da ECD deve conter:

  • Livro Diário e seus auxiliares, se houver;
  • Livro Razão e seus auxiliares, se houver;
  • Livro Balancetes Diários, com balanços e fichas de lançamento comprobatórias do que está transcrito.

O Livro Razão e o Livro Diário contém todas as informações relativas a movimentações financeiras realizadas pelas empresas. Neles constam tudo aquilo que as instituições faturaram e pagaram. O prazo para a entrega da ECD (Escrituração Contábil Digital) é o último dia útil do mês de maio.

ECF

Empresas do Lucro Presumido e Lucro Real

Prazo máximo: 30/06/2018

A Escrituração Contábil Fiscal é uma obrigação acessória para todas empresas jurídicas, com exceção das optantes pelo Simples Nacional ou que estejam inativas.  A ECF substitui a DIPJ (Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica) desde 2015.

Na ECF devem ser informadas todas as operações que influenciam a composição da base de cálculo e o valor devido do Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

Vale ressaltar que para as empresas que também realizam a ECD (Escrituração Contábil Digital), muitas das informações da ECF são recuperadas dessa obrigação.

Leitura recomendada: Calendário fiscal: Escrituração Contábil Fiscal (ECF) no ERP Protheus

Obrigações acessórias mensais vigentes em 2018

DME

Exigida a partir de 02/2018

Para o Calendário Fiscal 2018 há criação de novas entregas, como a DME. Deverão ser informadas à Receita Federal operações liquidadas, total ou parcialmente, em espécie. Decorrentes de alienação ou cessão onerosa ou gratuita de bens e direitos, de prestação de serviços, de aluguel ou de outras operações que envolvam transferência de moeda em espécie.

As operações serão reportadas em formulário eletrônico, denominado Declaração de Operações Liquidadas com Moeda em Espécie (DME).

A DME deve ser enviada à Receita Federal até às 23h59min59s, horário de Brasília, do último dia útil do mês subsequente ao mês de recebimento dos valores em espécie.

A não apresentação da DME (ou sua apresentação fora do prazo ou com incorreções ou omissões) sujeita o declarante a multa e outras possíveis responsabilizações. Saiba mais sobre a DME.

E-Social

A partir de 01/2018

Todas as empresas brasileiras precisarão aderir ao e-Social (Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas) a partir de 2018.

O e-Social é um sistema de informações unificado sobre os trabalhadores. Com ele, os empregadores passarão a comunicar ao Governo, de forma unificada, todas informações relativas aos funcionários.

Como por exemplo, vínculos, contribuições previdenciárias, folha de pagamento, comunicações de acidente de trabalho, aviso prévio, escriturações fiscais e informações sobre o FGTS. O prazo de entrega do eSocial é janeiro de 2018 para empresas que em 2016 faturaram acima de R$ 78 milhões. Para as demais empresas, o prazo final é julho de 2018.

Leitura recomendada: E-Social: Entenda suas principais características

EFD REINF

A partir de 05/2018 para empresas com faturamento superior a R$ 78 milhões.

A partir de 11/2018 com faturamento inferior a R$ 78 milhões.

A EFD Reinf (Escrituração Fiscal Digital das Retenções e Informações da Contribuição Previdenciária Substituída) é um dos mais recentes módulos do SPED e está sendo construído em complemento ao e-Social.

A EFD Reinf abarca a escrituração de rendimentos pagos e retenções de Imposto de Renda, Contribuição Social do contribuinte (que não tenham relação com o trabalho), bem como as informações sobre a receita bruta para a apuração das contribuições previdenciárias substituídas.

Toda empresa que não for optante do Simples Nacional e retém algum tributo como o IR, PIS/PASEP, COFINS e CSLL terá que entregar a obrigatoriedade.

O prazo de entrega da EFD Reinf é 1º de janeiro de 2018 para pessoas jurídicas com faturamento superior a R$ 78 milhões. Já para pessoas jurídicas com faturamento até R$ 78 milhões, o prazo de entrega é 1º de julho de 2018.

Leitura recomendada: EFD Reinf: Tudo o que você precisa saber sobre o novo módulo do SPED

Bloco K

A partir de 07/2018

O Bloco K está diretamente relacionado ao estoque e controle de produção. Fornecendo informações em tempo real sobre a produção, insumos e estoque final já escriturado (com descontos de entradas e saídas).

Calendário Fiscal 2018: outros prazos para ficar de olho

Além destes exemplos de obrigações, temos algumas outras informações e entrega contábeis para ficar atento e deixar marcado no Calendário Fiscal 2018. Entre elas:

DIRF

A DIRF (Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte) é o informe feito pela fonte pagadora à Receita sobre os rendimentos pagos a pessoas físicas. A DIRF 2018, relativa à 2017, deve ser entregue até o dia 28/02/2018 e apresentada por meio do programa Receitanet.

Leitura recomendada:

NF-e 4.0

A Nota Fiscal Eletrônica já teve seu layout definido com alterações importantes para as empresas ficarem atentas. As organizações têm até julho de 2018  para se adaptarem e pararem de utilizar a versão anterior (NF-e 3.10).

A estimativa é que haja 1,3 milhão de empresas emissoras de NF-e no Brasil e todas elas terão que adaptar seus sistemas ao novo padrão na versão 4.0. Dentre as principais mudanças, destacam-se alterações no layout, novas validações e inclusão de novos campos.

Alguma dúvida com a contabilidade da sua empresa? Entre em contato com a TDF Gestão Contábil!

Gostou deste Calendário Fiscal 2018? Deixe seu comentário aqui, queremos saber sua opinião.

 

Você sabe como deve ser a ECF no SPED?

Desde que o Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) foi implantado em 2007, todos os anos o fisco vem incluindo novas obrigações acessórias. Com intuito informar todos os dados referentes ao Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ), à Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) e todas as informações relacionadas a esses impostos, a ECF foi introduzida no ano-calendário 2014, com prazo de entrega pela primeira vez até o dia 30 de setembro de 2015.

Algumas obrigações acessórias cairão em desuso e não precisarão mais ser entregues referentes ao ano-calendário como a DIPJ e o E-Lalur devido à introdução da ECF no SPED.

Você sabe do que se trata o ECF no SPED?

A ECF no SPED é uma obrigação acessória bastante complexa, pois disponibilizará informações de grande relevância das empresas para o fisco, por isso, é necessário ter bastante atenção e muito cuidado na geração das informações.

Considerada como um sequenciamento da ECD (Escrituração Contábil Digital), a além de recuperar registros dessa obrigação acessória, vai ter informações adicionais, como: saldos contábeis, registros de apuração do lucro real, registro do Lalur, registros de apuração do lucro presumido, registro de apuração do lucro arbitrado, registro de informações imunes e isentas e registro das informações econômicas e gerais (Juros Sobre Capital Próprio, Distribuição de Lucros, Imposto de Renda Retido na Fonte, etc.) das pessoas jurídicas que forem obrigadas a entregar a ECF.

Dessa maneira, pode-se verificar que os dados que vão alimentar essa obrigação acessória serão oriundos de várias áreas e você precisará ter as informações atualizadas, além de um bom sistema de gestão contábil para gerar a ECF com maior tranquilidade e exatidão.

É importante também que você esteja atualizado com relação à Lei 12.973/2014, cuja lei fez alterações na legislação tributária — IRPJ e CSLL, além de realizar a revogação do RTT (Regime Tributário de Transição). Nessa lei são informados aspectos relevantes da escrituração contábil, por isso, é de grande importância que os contadores a dominem e revisem os processos contábeis e fiscais de seus clientes (Lucro Real e Lucro Presumido), de forma que estes fiquem adequados à legislação.

A geração e a entrega da ECF no SPED

Para gerar e entregar o arquivo da ECF no SPED será necessário recuperar os dados informados na ECD do mesmo exercício a ser informado. Quando acontece a recuperação de dados da ECD, o bloco C tem os seus registros alimentados, permitindo que o programa da ECF faça a verificação dos registros contábeis e referenciais contidos nos blocos J e K.

Serão importados também os dados referentes à apuração do IRPJ e da CSLL que vão compor os blocos J e K da ECF. Outras informações que merecem destaque e precisam ser verificadas com cuidado é a demonstração de resultados, os custos e despesas e as informações econômicas e gerais que serão registradas nos blocos X e Y.

Por isso, é importante ficar atento ao prazo de entrega da ECF no SPED, que será no dia 30 de setembro de 2015: em caso de entrega da obrigação acessória fora do prazo, a Receita Federal cobrará multa. Além do prazo, é importante verificar a exatidão das informações, pois essa questão também poderá gerar alguma penalidade.

Via: Contadores.cnt

Saiba como é o arquivo digital de Escrituração

O arquivo da Escrituração Contábil Fiscal (ECF) terá de ser feito por cada empresa com recursos próprios. Mas, para facilitar, a empresa pode preencher os dados no próprio programa gerador da ECF, em virtude da funcionalidade de edição de campos. O arquivo será obrigatoriamente submetido ao programa gerador da ECF para validação de conteúdo, assinatura digital, transmissão e visualização.

Já a recuperação de dados da Escrituração Contábil Digital (ECD) é obrigatória para empresas que necessitam entregar a ECD.

O arquivo digital é composto por blocos de informação e cada bloco terá um registro de abertura, registros de dados e um registro de encerramento. Confira:

Bloco Nome do Bloco Descrição do Bloco
0 Abertura e Identificação Abre o arquivo, identifica a pessoa jurídica e referencia o período da ECF.
C Informações Recuperadas das ECD (bloco recuperado pelo sistema – não é importado) Recupera, das ECD do período da escrituração da ECF, as informações do plano de contas e os saldos mensais.
E Informações Recuperadas da ECF Anterior e Cálculo Fiscal dos Dados Recuperados da ECD (Bloco recuperado pelo sistema – não é importado)A recuperação de dados da ECD é obrigatória para as empresas obrigadas a entregar a ECD. Recupera, da ECF imediatamente anterior, os saldos finais das contas referenciais e da parte B (do e-LALUR e e-LACS). Calcula os saldos contábeis de acordo com o período de apuração do tributo.
J Plano de Contas e Mapeamento Apresenta o mapeamento do plano de contas contábil para o plano de contas referencial.
K Saldos das Contas Contábeis e Referenciais Apresenta os saldos das contas contábeis patrimoniais e de resultado por período de apuração e o seu mapeamento para as contas referenciais.
L Lucro Líquido Apresenta o balanço patrimonial, a demonstração do resultado do exercício e apura o lucro líquido da pessoa jurídica tributada pelo lucro real.
M e-LALUR e e-LACS Apresenta os livros eletrônicos de escrituração e apuração do IRPJ (e-LALUR) e da CSLL (e-LACS) da pessoa jurídica tributada pelo lucro real – partes A e B.
N Imposto de Renda e Contribuição Social (Lucro Real) Calcula o IRPJ e a CSLL com base no lucro real (estimativas mensais e ajuste anual ou valores trimestrais).
P Lucro Presumido Apresenta o balanço patrimonial e apura o IRPJ e a CSLL com base no lucro presumido.
T Lucro Arbitrado Apura o IRPJ e a CSLL com base no lucro arbitrado.
U Imunes ou Isentas Apresenta o balanço patrimonial das imunes ou isentas. Apura, quando for o caso, o IRPJ e a CSLL com base no lucro real.
X Informações Econômicas Apresenta informações econômicas da pessoa jurídica.
Y Informações Gerais Apresenta informações gerais da pessoa jurídica.
9 Encerramento do Arquivo Digital Encerra o arquivo digital.

Via: Contadores.cnt